Dia Mundial da Poesia

Dia Mundial da Poesia

2019-03-21 0 Por admin

Pastorzinho [S. João da Cruz]

Un pastorcico solo está penado,
ajeno de placer y de contento,
y en su pastora puesto el pensamiento,
y el pecho del amor muy lastimado.

No llora por haberle amor llagado,
que no le pena verse así afligido,
aunque en el corazón está herido;
mas llora por pensar que está olvidado.

Que sólo de pensar que está olvidado
de su bella pastora, con gran pena
se deja maltratar en tierra ajena,
el pecho del amor muy lastimado.

Y dice el pastorcito: ¡Ay, desdichado
de aquel que de mi amor ha hecho ausência
y no quiere gozar la mi presencia,
y el pecho por su amor muy lastimado!

Y a cabo de un gran rato se ha encumbrado
sobre un árbol, do abrió sus brazos bellos,
y muerto se ha quedado asido dellos,
el pecho del amor muy lastimado.

Um pastorzinho, só e amargurado,
Alheio de prazer e de contento
Tem na sua pastora o pensamento
E o peito por amor tão magoado.

Não chora por amor o haver chagado,
Pois lhe não dói assim ver-se afligido,
Embora o coração tenha ferido;
Mas chora de pensar ser olvidado.

Que só de se pensar já olvidado
Pela bela pastora, em dor tamanha
Se deixa maltratar em terra estranha,
Seu peito por amor tão magoado.

E diz o pastorzinho: Ai, malfadado
É quem do meu amor buscou a ausência
E quem não quer gozar minha presença,
Por seu amor meu peito magoado!

E, ao fim de grande tempo, ele há trepado
Uma árvore: abriu os braços belos
E morto lá ficou, suspenso deles,
Seu peito por amor tão magoado!

Sobre as palavras Dilectus meus Mihi
[S. Teresa de Jesus]

Ya toda me entregué y di,
y de tal suerte he trocado,
que es mi Amado para mí,
y yo soy para mi Amado.

Cuando el dulce Cazador
me tiró y dejó rendida,
en los brazos del amor
mi alma quedó caída,
y cobrando nueva vida
de tal manera he trocado,
que es mi Amado para mí,
y yo soy para mi Amado.

Hirióme con una flecha
enherbolada de amor,
y mi alma quedó hecha
una con su Criador;
ya yo no quiero otro amor,
pues a mi Dios me he entregado,
y mi Amado es para mí,
y yo soy para mi amado.

Já toda me entreguei e dei
e de tal sorte hei trocado
que meu Amado é para mim,
E eu sou para meu Amado.

Atirou-me com uma seta
envenenada em amor,
e minha alma ficou feita
uma com seu Criador.
Eu já não quero outro amor,
pois a Deus me hei entregado:
o meu Amado é para mim,
e eu sou para meu Amado.

Quando o doce Caçador
me atirou e deixou rendida,
nos braços do amor
ficou minha alma caída.
E ganhando nova vida,
de tal sorte hei trocado,
que meu Amado é para mim,
e eu sou para meu Amado.

Poema Aunque es de noche [S. João da Cruz] | Rosalía